Presidência

Alertas e Comunicados ANPAC

2 de setembro de 2015 0 Comments

ANPAC


Nas declarações sobre a proposta de suspensão dos concursos previstos na esfera do executivo federal, cabe-nos analisar que dos previstos para 2015, alguns já foram realizados, outros aguardam publicação do edital, parcela já foi autorizada pelo M. Planejamento e parcela aguarda autorização. Daqueles ainda não realizados o somatório é de 29.816 vagas

Cabe a ANPAC alertar e lutar, principalmente, por muitos deles que poderão provocar colapso na Administração Federal e outros que consideramos como de segurança nacional. Não podem e não devem, em hipótese alguma, serem suspensos. São eles: ANAC, ANP, ANS, BB, BC, CEF, CORREIOS, DNIT, FIOCRUZ, INCA, IBGE,INSS,INFRAERO, M. FAZENDA, M. PLANEJAMENTO, PRF e PF.

Os cortes seriam muito bem recebidos se fossem em relação a extinção da terceirização, parcela dos quase 100 mil cargos de confiança e redução dos  18.388 servidores só na Presidência da República.

Já os concursos no Judiciário e Legislativo deverão ser mantidos, bem como os Estaduais e Municipais.

Cabe a ANPAC Lutar pelo “sonho do concurso público” que não pode, em hipótese alguma, ser abalado. Continuem lutando. Contamos com vocês concursando e famílias.

Maria Thereza Sombra
Diretora Executiva ANPAC

AGU na UTI (do SUS, às escuras) e o surgimento de uma nova AGU

25 de maio de 2015 20 Comments

  por William Douglas   Introdução Abordarei uma das crises mais graves e mais estúpidas pelas quais o país passa. Grave, por suas consequências; estúpida,.

Saiba mais

Carta Aberta aos Candidatos à Presidência

14 de outubro de 2014 0 Comments

Caros concurseiros e cidadãos interessados no tema, segue Carta Aberta sobre Concursos Públicos que enviei aos dois candidatos. Se ler e concordar, favor compartilhar a mensagem.

Solicito a gentileza de colocar o tag  #CartaAbertaConcursosPublicos, ok?

Espero que goste.

Abs, william douglas
(mais…)

Revisão de Vencimentos: A CF, a Presidência da República e o STF

3 de outubro de 2014 0 Comments
por William Douglas

O Supremo Tribunal Federal retomou ontem o julgamento do Recurso Extraordinário (565089) onde é discutida a questão da Revisão Geral Anual dos Servidores públicos, direito previsto no art. 37, X, da Constituição da República, e que, em razão da omissão do Poder Executivo, vem mantendo o funcionalismo público em situação degradante.

O caso trata da possibilidade de indenização aos servidores em razão da omissão do governo em cumprir o que determina a Constituição.  (mais…)