Uma Bondade Silenciosa

por Max Lucado

Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros,
perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.

Efésios 4.32

Post 22

Qual é o seu quociente de bondade? Quando foi a última vez que você fez alguma coisa boa para alguém de sua família — por exemplo, pegar um cobertor, limpar a mesa, preparar o café — sem que lhe fosse pedido?

Pense em sua escola ou no seu trabalho. Qual pessoa é a mais desprezada e evitada? Um aluno tímido? Uma funcionária mal-humorada? Talvez ele não fale o seu idioma. Talvez ela não se adapte. Você é bom para essa pessoa?

Corações bondosos são silenciosamente bondosos. Eles deixam o carro entrar na sua frente no trânsito e permitem que a mãe de três filhos passe na frente na fila do caixa; pegam o lixo do vizinho que rolou para a rua e são especialmente bondosos na igreja. Entendem que talvez a pessoa mais necessitada que encontrarão naquela semana inteira esteja em pé no vestíbulo ou sentada na fileira atrás deles durante o culto. Paulo escreve: “Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé” (Gl 6.10).

E aqui está um desafio: o que dizer de nossos inimigos? Quão bondoso você é para com aqueles que desejam o que você quer ou tiram o que você tem?

Senhor Jesus, que o teu amor seja aperfeiçoado em mim,
à medida que
eu conceder amor com alegria e liberdade.
Abre minhas mãos para dar
presentes.
Abre meu coração para conceder bondade.
Abre meus olhos
  para derramar lágrimas pelas tristezas dos outros.
Abre meus ouvidos para
 escutar corações feridos.


Fonte: Bom dia! Leituras diárias com Max Lucado