Cultura

E os saques continuam. Não poupam nem os professores!

22 de março de 2017 0 Comments
por William Douglas

Iludem-se aqueles que imaginam que os saques terminaram. Amigos, não se enganem com a cessação dos saques no Estado do Espírito Santo. Somos o país dos saques, um país de saqueadores. Teremos um “saque” sempre que um grupo de pessoas se apropria daquilo que não lhe pertence utilizando a própria força ou se aproveitando da fraqueza do real proprietário dos bens saqueados.

O que fizeram com a Petrobras foi um saque, e, aparentemente, houve outro no BNDES. Mas não paramos aí. Também é uma modalidade de saque os grandes empresários, aqueles que menos precisam de juros baixos, obterem taxas ridículas enquanto os médios e pequenos empresários, apesar de serem aqueles mais precisam de ajuda e os que mais dão emprego, suportam taxas intoleravelmente altas. E, se me permitem, conseguir, seja no Rio de Janeiro, seja no Congresso, isenções fiscais mediante propina também me parece uma modalidade de saque. A expropriação de verbas de toda a coletividade por saqueadores mancomunados: empresários desonestos e maus políticos.

Todavia, a mesma população que sofre e que bate panelas, ou grita “Fora Temer”, é aquela que, no Espírito Santo, saqueou o alheio se valendo da falta de policiamento. Mas não pensem que esse saque foi apenas lá e apenas naquele tempo: todos os dias uma parcela considerável da população pratica seus pequenos saques: atestados falsos, falsos seguros-desemprego, carteiras de estudante falsas, notas frias e falta de emissão de notas fiscais. Praticamos uma série de pequenas fraudes que, somadas, representam volumes consideráveis saqueados daqui e dali. O brasileiro médio costuma saquear até lugar em fila, tanto quanto pode. (mais…)

Apropriação Cultural

11 de fevereiro de 2017 0 Comments
por William Douglas

Recentemente o portal Huff Post do Brasil divulgou artigo no qual uma jovem de Curitiba, com câncer, relata ter sido abordada por estar usando um turbante. O artigo levanta a questão de ativismo e apropriação cultural.

Pessoalmente, acho que criticar “apropriação cultural” é uma lástima. Turbante não é propriedade de nenhuma raça, gênero ou grupo. Turbante é turbante. Não precisa ter câncer para poder usar.

Notícias como essa são tão fora de propósito que não podemos deixar de imaginar que são fake. Infelizmente, algumas não o são, mostrando uma intolerância e chatice cada vez maiores.

Uso camisas africanas porque são lindas, já usei cabelo trançado e não acho que estou me apropriando de nada por isso, ao contrário. Acho que estou fazendo uma homenagem, um elogio. É bonito, é meu também! rsrs

Também acho triste alguém falar de dividir meios de produção e riqueza e criar polêmica com assuntos como camisas, cabelos e turbantes.

Trabalho por um mundo onde o acesso a todas as riquezas, desde um turbante bonito até o acesso a trabalho e educação,
seja aberto a todos, sem distinção.


Confira artigo original

Uma Carta Aberta ao Brasil

15 de fevereiro de 2016 10 Comments

por Mark Manson [Ver Post Original] Querido Brasil, O Carnaval acabou. O “ano novo” finalmente vai começar e eu estou te deixando para voltar para o.

Saiba mais

Repente de Natal

29 de dezembro de 2015 0 Comments

POPE: Professores de Orientação Profissional e Educacional

5 de outubro de 2015 2 Comments

Queridos, eis uma ideia que eu tive. Digam o que acham!

Dia 28/11 completamos 5 anos da invasão do complexo do Alemão pela polícia. Foi um momento importante, mas não tivemos a ocupação que funciona, com educação, cultura e cidadania. Minha proposta é que as “invasões” sejam com aulas,
professores, música, livros, esperança e oportunidades.

Estou marcando com amigos professores, notários, dentistas etc. uma “invasão” diferente. Estou montando um batalhão de professores. É o POPE:Professores de Orientação Profissional e Educacional.

POPE
O que vocês acham?