Sobre a Semana Passada e Sobre o Dia 13 de Março

por William Douglas

Não quero me meter em política partidária, mas na qualidade de cidadão e professor de Direito Constitucional posso e devo me posicionar sobre algumas coisas.

Insisto na necessidade de que todos, independentemente de seu partido ou posição política:

  • respeitem a diversidade, respeitem quem pensa diferente;
  • respeitem o direito do outro (que pensa diferente) se manifestar;
  • não tentem frustrar ou impedir a manifestação de outrem;
  • mantenham o respeito à ordem pública e à lei;
  • preservem o respeito às instituições (que felizmente hoje são bem mescladas, tendo pessoas indicadas pelas mais diversas correntes);
  • evitem o confronto físico (que é crime);
  • evitem a incontinência verbal, lembrando que civilidade e educação são parte indispensável da democracia que todos afirmam desejar;
  • mantenham um mínimo de gentileza, pois ela gera gentileza;
  • esperem que quem pensa igual esteja sujeito à lei tanto quanto aqueles que pensam diferente na politica;
  • esperem que quem pensa diferente tenha os mesmos direitos que aqueles que pensa igual na política.

Não aguento mais ver que delações e investigações sobre corrupção sejam válidas e comemoradas apenas quando o investigado é do outro partido, e, de forma totalmente incoerente, seja abuso quando o investigado é do partido da pessoa.

Lula e Cunha, e todos mais, devem ter o mesmo tratamento, e assim por diante. Delação contra A ou B não vale mais dependendo do partido que o acolhe, mas dos fatos.

Repúdio também as notícias de uso de forças irregulares, ameaças de morte etc. Isso é crime e como tal deve ser tratado.

Qualquer militância que use a força é vedada e tem consequências graves, inclusive para o partido que se vale delas.

O país viveu anos de governos de direita e está há anos em governo de esquerda, que já nomeou a maioria dos ministros do Judiciário e obviamente todos os ministros do Executivo, sem esquecer que o Legislativo está bem mesclado também. Ou seja: não dá para se falar em governo de exceção: estamos vivendo momentos conturbados, mas sem um mínimo de serenidade e respeito à lei e às instituições, vai ficar difícil.

Enfim, espero que todos os acusados de corrupção sejam investigados e que todas as pessoas, de todos os partidos, lidem com da mesma forma com o funcionamento das instituições, independentemente de quem é o investigado.

Se não houver esse mínimo de respeito ao diferente e às instituições haverá muita dificuldade para todos.

E, repito, repúdio o discurso de ódio entre classes, entre religiões, entre partidos e entre regiões do país. E, me perdoem a repetição, mas é válida: espero que todos os corruptos tenham o mesmo tratamento.

Espero que a Lava Jato se prenda aos fatos, e quem quiser falar mal dela se prenda aos fatos: nenhum juiz conseguiria perseguir alguém se não fossem os fatos trazidos por integrantes escolhidos pelo governo, e empreiteiros que negociavam com o governo, e com dados concretos sobre o sítio e o triplex. Então, dizer que é perseguição politica é cortina de fumaça para que não se fale nos fatos e nas delações e provas. O STF, repita-se, tem 8 membros escolhidos pelos governos do PT, então é complicado dizer que o Judiciário é a elite perseguindo etc.

Estou bem incomodado com a velocidade diferente de algumas investigações contra o PSDB. O que temos que querer não é reduzir a velocidade das investigações da Lava Jato ou querer desqualificá-las, mas sim que as outras andem.

Espero que as mídias dos dois lados (e temos ambas!) sejam um pouco mais honestas, pois me parece que ambas as imprensas (e temos mais que uma, temos uma de direita e outra de esquerda) estão com filtros e só olham o errado do partido alheio.

Espero que no dia 13 de março as pessoas não entrem em confronto físico, e que a disputa seja em número de presentes, sem que brasileiros agridam brasileiros.

Por fim, espero que nas minhas páginas as pessoas mantenham a civilidade que está faltando nas ruas, na mídia e na política.