Para ser um “bom memorizador”

por William Douglas

Li a matéria publicada no site do Guia do Estudante com a seguinte chamada: “Um campeão de concursos públicos, o melhor “atleta da memorização” da América Latina e o comentarista-enciclopédia PVC contam como lembram de praticamente tudo”.

Gostei de saber que estou ao lado de gente boa, especialmente no que diz respeito à memorização. No texto, sou chamado de “campeão de concursos públicos” e embora a referência naturalmente me alegre, sei que isto é possível para qualquer ser humano, principalmente se técnicas de aprendizado e memorização forem aplicadas.

Como disse, é preciso persistir até atingir resultados satisfatórios porque todos nós nascemos com a capacidade para memorizar e aprender. E eu sou o maior incentivador destas habilidades.

Alberto Dell’Isola hoje é o 1° lugar no ranking dos “mentatletas” latino-americanos, mas confessou que já teve “a pior memória do mundo”. Paulo Vinícius Coelho também foi citado como “dono de uma memória invejável”, mas afirma que para lembrar, é necessário saber, conhecer.

Diante destes e ainda de tantos outros bons exemplos, que sei que existem, vale também ter em mente que “homens-computadores” geralmente não se fazem de um dia para o outro.

Percorrem um caminho de determinação, exercício e vontade própria, nada desagradável, mas desafiador. E você pode fazer parte deste rol de “bons memorizadores”!