Derrota x Bíblia

por William Douglas

 

Aos que seguem a Bíblia, vale lembrar: louvamos a Ele quando vencemos, louvamos a Ele quando perdemos.

Nossa adoração e nossa relação com Deus não deve depender das circunstâncias (Filipenses 4.11-15).

Sobre momentos como estes, vale lembrar o que disse Jó: “Receberíamos o bem, e não o mal?”.

Hebreus 12.11 nos ensina que toda disciplina (e a derrota é uma de suas formas) é dolorosa quando acontece, traz tristeza, mas depois produz fruto e amadurecimento nos que nela são exercitados.

2 Coríntios 4.8,9 diz que podemos ficar “atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desesperados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos”.

Tiago 2.4 diz : “Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações” . A lição é que se houver fé, teremos a perseverança; e a perseverança produz crescimento. Nesse sentido, também Paulo, que em Romanos 5.3b diz que “A tribulação produz perseverança.”

Enfim, Deus é soberano e temos que nos sujeitar a Sua vontade e a aplicação das leis que Ele criou, entre as quais a da semeadura. Às vezes a derrota é o momento onde revemos os processos que adotamos e as sementes que lançamos, para que o futuro esteja mais parecido com nossos sonhos.

Então, em resumo, duas coisas:

  1. Louvor, sempre, como diz Habacuque: “Mesmo não florescendo a figueira, não havendo uvas nas videiras; mesmo falhando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação.” (Hb 3.17-18)
  2. Entremos em campo – no futebol e na vida – para jogar bonito, para fazer nosso melhor.

Termino com uma ótima notícia: no futebol como na vida, amanhã tem outro jogo.