Concurso é Maracutaia

por William Douglas

Essa é uma das frases que constam em um e-mail que recebi. Ela não é a mais importante, talvez a menos importante, mas a escolhi como título da conversa de hoje.

A frase foi pronunciada algumas vezes (talvez várias) por pessoas que queriam o bem de um concursando… E, por isso mesmo diziam para ele “sair fora” desse projeto maluco pois, afinal, “concurso é maracutaia”.

O então concursando se chama Sérgio Bezerra Torres, que felizmente não aceitou os conselhos, dados com boa intenção, por seu pai e irmãos e, hoje, é servidor público.

O Sérgio, quando ouvia isso, ainda não tinha passado em nenhum concurso, e, claro, não deve ter sido fácil lidar com essa “opinião coletiva” sobre o projeto sobre o qual ele se dedicava.

Seja como for, Sérgio passou. Em um, em outro… mais outro. E as coisas mudaram.

Sérgio me escreveu uma gentilíssima e simpática carta, vinda por e-mail, que transcrevo e, em seguida, comento.

Enviada em: quinta-feira, 26 de julho de 2007 15:12

Para: www. williamdouglas.com.br

Olá, William!

Olha! Nem sei como começar! Primeiro te agradecendo! MUITO OBRIGADO WILLIAM! Sei que você deve receber diversos e-mails com histórias de sucesso. Bem, gostaria também de compartilhar a minha com você como uma forma de agradecimento.

Quando saí da Aeronáutica me vi à mercê do comércio. Nos dois primeiros meses de trabalho, quando recebi o meu salário, parei, raciocinei… se eu continuar a ganhar isto vou precisar de umas 10 vidas para conseguir o que quero, era o meu sonho, uma moto esportiva que custa R$53.000,00. Foi quando decidi estudar. Continuei trabalhando, aguentando aquela situação e usando o dinheiro para fazer cursinhos e comprar materiais de estudo.

Quando me abasteci de material resolvi largar o emprego. E comecei estudando manhã tarde e noite, escutando críticas e críticas de meus irmãos e de meu pai. Concurso é maracutaia, diziam eles. E eu dizia, que quem chegasse lá sabendo a matéria não teria como não entrar. Apenas minha mãe me observava e acompanhava meu esforço. Disse a ela: “mãe, sei que não vou ter dinheiro para sair ou para comprar roupas ou para sequer arrumar uma namorada, mas eu vou pagar o preço e vou conseguir!”

Na época eu tinha uma certa dificuldade em língua portuguesa, e que, após mais uma colocação desastrosa, resolvi estudá-la. Minha atitude “NÃO VIRO UMA PÁGINA DESTE LIVRO ENQUANTO NÃO APRENDER O QUE TEM ESCRITO NELA”. Resultado? Aprendi a matéria e me apaixonei por ela. Minha resistência era porque eu não sabia a matéria. Aí pensei! NÃO IMPORTA A MATÉRIA! BASTA EU APRENDÊ-LA QUE PASSAREI A GOSTAR DELA! Foi quando uma amiga minha que me ajudava em língua portuguesa e que dava aulas particulares me convidou para ensinar também, uma coisa somou-se a outra, agora eu tinha um novo estímulo, estava sendo remunerado pelo meu estudo.

Quando conheci o seu livro, acredite William, li seu livro, o antigo, aquele bem grosso, quase todo em uma semana. A ferramenta que eu precisava para alcançar meus objetivos. Minha pior dificuldade… MUDAR VELHOS HÁBITOS. Mas como diz aquele ditado japonês “ÀS VEZES É NECESSÁRIO DAR UM PASSO ATRÁS PARA ANDAR DEZ NA FRENTE”.

Tive de me habituar a fazer O CERTO. William e quando consegui mudar meus hábitos… ahhh meu amigo! 2º COLOCADO no concurso para a Guarda Municipal de Recife. Fui para lá para ganhar R$400,00 por mês e R$100,00 de vale alimentação. Mais críticas… “como é que tu vai sobreviver em Recife com R$400,00?” diziam meus irmãos. Fui para lá para frequentar os bons cursinhos… precisava de ritmo e de aumentar meu nível. Eu era batedor, trabalhava de moto. Tinha dias que eu parava a moto, abria aquele baú que fica atrás escondia o livro ali e ia estudar, no meio da rua, com a moto estacionada, e a população pensava que eu estava multando alguém. Viajava para casa às vezes apenas com o dinheiro da passagem de ida e volta. Veio o próximo concurso, e fui novamente 2º COLOCADO no Corpo de Bombeiros de Pernambuco. O salário era maior e os primeiros colocados tinham direito a escolher em que cidade seriam lotados. Já fiquei muito alegre sabendo que iria voltar para casa. Veio o próximo concurso TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL, e advinha William fui o 8º COLOCADO para Técnico Judiciário atividade que atualmente exerço. Resolvi então fazer o vestibular para Direito e passei em 23º. Visando o próximo concurso para Analista Judiciário. Hoje, já comprei meu terreno, começo a construir minha casa ano que vem, construí dois apartamentos que estão alugados, tenho meu carro, mas A MOTO só vou comprá-la quando construir minha casa.

Por tudo isso William eu te devo muito, sua ajuda tem sido fundamental para o meu crescimento. E como forma de agradecimento, embora não nos conheçamos, eu falo muito de você, mas muito mesmo. Divulgo seu livro para todos aqueles que me perguntam como eu fiz. Mas também sempre faço questão de dizer que seu livro é apenas uma ferramenta, primeiro tem de se querer!

OBRIGADO WILLIAM! MUITÍSSIMO OBRIGADO! Que Deus te abençoe. Quando puder gostaria muito de agradecer pessoalmente. Um forte abraço! Sim faltou dizer o momento mais emocionante dessa minha caminhada. Um dia minha mãe se aproximou de mim com um cartão e um brinquedo, era uma gaivota. Estávamos sozinhos no meu quarto. Aí ela me disse “Olhe meu filho procurei uma águia para te dar de presente, pois você agiu como uma em direção a seus objetivos, mas não encontrei. Encontrei melhor, uma gaivota, porque ela tem de se esforçar muito mais que uma águia quando voa de um continente a outro e foi isso que você fez.” Não aguentei! Comecei a chorar e me abracei com ela! Ela disse ainda: “O que você fez não fez só por você. Você agora é um exemplo para sua família e motivo de orgulho para seus pais!” SEM PALAVRAS!!”

Minha resposta, quase imediata, foi:

“Sérgio:

Uau, que história!

Obrigado e vários parabéns, amigo. Você me permite dar publicidade a sua carta? Ela é inspiradora. Me diga se posso e se você prefere que eu cite ou não cite seu nome. Vou lhe responder depois, com calma, pois estou indo para o aeroporto. Quero fazer isso com calma.

Com abraços, William Douglas

Em seguida, Sérgio me respondeu autorizando a citação da carta e incluiu mais algumas informações:

“Quando passei para Técnico paguei uma excursão para minha mãe para o Sul do país. Consegui também no meu emprego uma Função de Confiança, sou Supervisor Administrativo desde que entrei. Outra, todos os meus irmãos agora estudam para concurso.  Minha irmã mais nova, que é dentista, passou em um na sexta colocação e está esperando o resultado final de outro.

Abraço. Seu amigo. SÉRGIO BEZERRA TÔRRES  (Caruaru-PE).”

Pois é.

Primeiro, Sérgio:

Tenho orgulho de você, cara. Sei que não foi fácil, mas você conseguiu.

Você é dos bons, não é à toa que já está como Supervisor Administrativo. Se quisesse, você poderia continuar no cargo atual o resto da vida e já estaria ótimo. Também, se desejar, pode dedicar-se a outros projetos, mas pelo visto você fará Direito e, em breve, será advogado, promotor, procurador, auditor, delegado, juiz… são várias as opções. O mundo é seu, ao menos quando o assunto é: possibilidades e escolhas.

Como sua mãe já disse, você é um exemplo.

E também é mais uma prova de que “concurso não é maracutaia”. Embora vez ou outra a gente pegue alguém tentando fraudar os concursos, isso não é a regra. Não espanta que haja fraudes, pois não existem ilhas de santidade no mundo dos homens. Não poderia ser diferente, em uma raça, a humana, e um país, o nosso, onde o caminho mais fácil é sempre tentador. Tentador, mas mau negócio, é claro.

O jeito mais fácil é o mais trabalhoso, o mais seguro e o mais demorado.

Assim, parabéns, mais uma vez. É uma história bonita e você a escreveu. Espero que se aliste na Revolução. Estamos, o serviço público e o povo, precisando de você.

Espero que você aproveite seu sucesso para ser feliz e para tornar a felicidade algo possível ou, ao menos, mais próximo para as pessoas ao seu redor, desde a sua família até ao cidadão sofrido que vai torcer para você ser um bom servidor. Claro que seu poder de influência ultrapassa o cercado de sua repartição. Você é influente em diversos espaços, desde sua casa, seu bairro, igreja, associação, enfim, em todos os lugares que frequenta ou frequentará na sociedade onde vive. Hoje mesmo soube de uma voluntária no Inca, trabalhando com crianças. Ela é influente lá, onde estavam precisando dela.

Não sei quais são os seus planos, mas sei que você pode realizá-los.

No meu caso, depois do concurso vieram a carreira, aulas, cursos, livros… editora. E, ainda depois, a maratona: 42 km… Em todos esses desafios e sonhos, o aprendizado com os concursos e o que o concurso proporcionou de tempo, estratégia e recursos ajudou tremendamente.

Então… é isso. Parabéns. Também fico feliz por sua família… e você mandou muito na “viagem-presente” para sua mãe. Essas coisas são demais, são as que levamos da vida.

Abraço do colega concurseiro e servidor,

William Douglas”

Agora vamos rever alguns pontos sobre concursos.

 

AGRADECER

 

“Olá, William! Olha! Nem sei como começar! Primeiro te agradecendo! MUITO OBRIGADO ,WILLIAM!”

Sérgio me agradece, legal. E eu agradeço a ele. Ser grato ajuda em tudo. A gratidão também ajuda durante a preparação. Seja grato pelas coisas e oportunidades que tem, mais do que revoltado pelas coisas e oportunidades que não tem, e sua vida fluirá melhor. Isso tem a ver com PNL, mentalização, energia… Com o que você quiser. Apenas saiba que funciona: seja grato. Você está vivo e já sabe ler. Isso já é bastante coisa.

 

INDIVIDUALIDADE

 

“Sei que você deve receber diversos e-mails com histórias de sucesso. Bem, gostaria também de compartilhar a minha com você como uma forma de agradecimento.”

Ainda assim gosto de ouvir/ler cada depoimento. Somos únicos, e minha história com os concursos seria menos rica sem o compartilhamento com a sua, que só agora vim a conhecer, mas que confirma credos e certezas que eu já trazia comigo.

 

O DESEJO DE MUDANÇA

 

“Quando saí da Aeronáutica me vi à mercê do comércio. Nos dois primeiros meses de trabalho, quando recebi o meu salário, parei, raciocinei… se eu continuar a ganhar isto vou precisar de umas dez vidas para conseguir o que quero, era o meu sonho, uma moto esportiva que custa R$53.000,00. Foi quando decidi estudar.”

A moto, na verdade, foi só a catalisadora da mudança, tanto que você já poderia ter comprado a dita cuja e ainda não o fez. A moto foi só o pretexto. Aliás, depois que você descobriu que pode tê-la, só isso já te dá quase tanto prazer quanto ter a moto, não?

O fato é que, em determinado momento, você avaliou sua vida e descobriu que queria mais, que queria alguns progressos. Felizmente, entendeu também que mudanças exigem mudanças! E esteve disposto a buscar alternativas (estudar) e as buscou (estudou). A PNL diz que “se você fizer o que sempre fez vai ter os resultados que sempre teve”. Logo, se queremos mudar nosso futuro, comecemos por mudar as coisas no nosso presente. No momento, você adia a moto “trocando-a” por outros objetivos. Também vale.

 

SACRIFÍCIOS

 

“Continuei trabalhando, aguentando aquela situação e usando o dinheiro para fazer cursinhos e comprar materiais de estudo. Quando me abasteci de material resolvi largar o emprego.”

“Aguentando a situação”. Basta dizer isso. Quem quer passar, tem que aguentar a situação, segurar a vida presente do melhor jeito que der e ainda arrumar tempo para estudar e treinar. Isso exige sacrifícios.

 

FAMÍLIA

 

“E comecei estudando manhã tarde e noite, escutando críticas e críticas de meus irmãos e de meu pai. “Concurso é maracutaia”, diziam eles. E eu dizia, que quem chegasse lá sabendo a matéria não teria como não entrar. Apenas minha mãe me observava e acompanhava meu esforço.

Educadamente, mas não podemos deixar nossa família matar nosso sonho. E mãe é mãe (rs).

 

A PIOR MATÉRIA – E UMA ESTRATÉGIA DE ESTUDO

 

“Na época eu tinha uma certa dificuldade em língua portuguesa, e que, após mais uma colocação desastrosa, resolvi estudá-la. Minha atitude “NÃO VIRO UMA PÁGINA DESTE LIVRO ENQUANTO NÃO APRENDER O QUE TEM ESCRITO NELA”. Resultado? Aprendi a matéria e me apaixonei por ela. Minha resistência era porque eu não sabia a matéria. Aí pensei! NÃO IMPORTA A MATÉRIA! BASTA EU APRENDÊ-LA QUE PASSAREI A GOSTAR DELA! Foi quando uma amiga minha que me ajudava em língua portuguesa e que dava aulas particulares me convidou para ensinar também, uma coisa somou-se a outra, agora eu tinha um novo estímulo, estava sendo remunerado pelo meu estudo.”

É a sua pior matéria, a que você menos gosta, que vai lhe reprovar… a menos que você mude de atitude e de comportamento em relação a ela. Para aprender uma matéria, um bom caminho é começar a dar aulas sobre a mesma. Isso não só ajuda a aprender e a fixar, como ajuda ao próximo e pode ser o começo de mais uma carreira, paralela ao concurso: o magistério. Não que todo mundo que dá aula vai virar professor, mas acontece.

 

LIVROS

 

“Quando conheci o seu livro, acredite William, li seu livro, o antigo, aquele bem grosso, quase todo em uma semana. A ferramenta que eu precisava para alcançar meus objetivos. Minha pior dificuldade… MUDAR VELHOS HÁBITOS. Mas como diz aquele ditado japonês “ÀS VEZES É NECESSÁRIO DAR UM PASSO ATRÁS PARA ANDAR DEZ NA FRENTE”. Tive de me habituar a fazer O CERTO. William e quando consegui mudar meus hábitos … ahhh meu amigo!“

Livros ajudam. Cada matéria tem um livro, ou mais que um, ou um resumo, ou um tratado, ou um livro de questões exatamente da Banca que irá preparar sua prova. Não abra mão dos bons livros e apostilas.

 

RESULTADOS – “CONCURSO-ESCADA”

 

“2º COLOCADO no concurso para a Guarda Municipal de Recife. Fui para lá para ganhar R$400,00 por mês e R$100,00 de vale alimentação. Mais críticas… “como é que tu vai sobreviver em Recife com R$400,00?” diziam meus irmãos. Fui para lá para frequentar os bons cursinhos… precisava de ritmo e de aumentar meu nível. Eu era batedor, trabalhava de moto. Tinha dias que eu parava a moto, abria aquele baú que fica atrás escondia o livro ali e ia estudar, no meio da rua, com a moto estacionada, e a população pensava que eu estava multando alguém. Viajava para casa às vezes apenas com o dinheiro da passagem de ida e volta. Veio o próximo concurso, e fui novamente 2º COLOCADO no Corpo de Bombeiros de Pernambuco. O salário era maior e os primeiros colocados tinham direito a escolher em que cidade seriam lotados. Já fiquei muito alegre sabendo que iria voltar para casa. Veio o próximo concurso TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL, e adivinha William fui o 8º COLOCADO para Técnico Judiciário atividade que atualmente exerço.“

Com o tempo, os resultados chegam. Em geral, a pessoa é reprovada várias vezes, ou passa muito lá atrás sem a menor chance de ser chamada. É assim mesmo. Como se pode ver, o Sérgio fez o “’concurso-escada”: vai fazendo, vai passando… e vai utilizando as vitórias parciais para pavimentar o caminho para as vitórias maiores. Repare que sempre houve um interesse em cursos e livros… isso, como disse, ajuda bastante.

 

NOVOS PROJETOS

 

“Resolvi então fazer o vestibular para Direito e passei em 23º. Visando o próximo concurso para Analista Judiciário. Hoje, já comprei meu terreno, começo a construir minha casa ano que vem, construí dois apartamentos que estão alugados, tenho meu carro, mas A MOTO só vou comprá-la quando construir minha casa.“

O bom desempenho no “projeto concursos” abre portas para novos projetos. Alguns surgem naturalmente, como fazer Direito; outros se apresentam como possíveis a partir do momento em que sabemos que podemos fazer coisas novas, a partir do momento em que nos tornamos pessoas mais organizadas, autoconfiantes e seguras.

Desistir dos concursos pode envolver um dano maior do que perder as vantagens do cargo almejado. Se a pessoa desiste sem vencer suas dificuldades e limitações pessoais, ela estará abrindo mão de uma evolução e aperfeiçoamento pessoal que farão falta em outros projetos, por mais diferentes que sejam. Assim, recomendo que ninguém desista dessa carreira antes de uma aprovação efetiva, para que possa se forçar à construção de si mesmo, tanto no aspecto emocional, quanto no intelectual, passando pela organização de horários, prioridades etc.

 

AGRADECER, DE NOVO

 

“Por tudo isso William eu te devo muito, sua ajuda tem sido fundamental para o meu crescimento. E como forma de agradecimento, embora não nos conheçamos, eu falo muito de você, mas muito mesmo. Divulgo seu livro para todos aqueles que me perguntam como eu fiz. Mas também sempre faço questão de dizer que seu livro é apenas uma ferramenta, primeiro tem de se querer! OBRIGADO WILLIAM! MUITÍSSIMO OBRIGADO! Que Deus te abençoe. Quando puder gostaria muito de agradecer pessoalmente. Um forte abraço!”

Bem, eu também te agradeço. Inclusive por citar o essencial, o primeiro passo: “querer”. Sem vontade nada pode ser alcançado, nem aliado nenhum pode nos ajudar. Obrigado por ajudar a divulgar não só meu trabalho, mas, também, a lição mais importante, que é a de que qualquer um pode chegar lá, desde que realmente o queira.

 

RECOMPENSAS EMOCIONANTES

 

“Sim faltou dizer o momento mais emocionante dessa minha caminhada. Um dia minha mãe se aproximou de mim com um cartão e um brinquedo, era uma gaivota. Estávamos sozinhos no meu quarto. Aí ela me disse “Olhe meu filho procurei uma águia para te dar de presente, pois você agiu como uma em direção a seus objetivos, mas não encontrei. Encontrei melhor, uma gaivota, porque ela tem de se esforçar muito mais que uma águia quando voa de um continente a outro e foi isso que você fez.” Não aguentei! Comecei a chorar e me abracei com ela! Ela disse ainda: “O que você fez não fez só por você. Você agora é um exemplo para sua família e motivo de orgulho para seus pais!” SEM PALAVRAS!!”

Águia… gaivota… mães… bichos fantásticos. A vida é muito mais bonita quando se tem a oportunidade de viver esses momentos. Qualquer um que pagar o alto preço de esforço e dedicação terá suas recompensas emocionantes. Elas não serão necessariamente como as do Sérgio, mas cada um terá suas recompensas. E, mesmo que não houvesse nenhuma, olhar-se no espelho e saber o quanto custou e até onde se foi já é algo emocionante.

 

GASTANTO A GRANA

 

“quando passei para Técnico paguei uma excursão para minha mãe para o Sul do país.”

Os primeiros vencimentos devem ser curtidos ao máximo, com as justas premiações e homenagens. Com o tempo, é preciso aprender a administrar a grana. Não importa quanto se ganha, mas como se gasta. Michael Jackson ganhava muito e está quebrado. Um pouco de administração financeira e a leitura de livros sobre o tema vai ser de grande valia. Entre os cuidados com o dinheiro, além do planejamento, valem a pena o investimento e cuidado com alguns pontos. Uma parte se gasta com as despesas, outra se guarda/poupa/investe, outra se investe em estudo e aperfeiçoamento e, essencial, alguma parte (mesmo que pequena) se gasta em prazer pessoal/familiar. Isso é importante. Também recomendo que a pessoa separe 5 ou 10% de seus ganhos para ajudar os necessitados. Um caminho interessante é ajudar alguém a estudar, bancando cursos, livros etc. Essa ajuda tem a virtude de criar outras pessoas capazes de se sustentarem e de ajudar novos beneficiários. Seja como for, todas as religiões do mundo ensinam a “lei do retorno”: tudo o que você faz, o bem ou o mal, retorna multiplicado para você.

 

O PODER DO EXEMPLO

 

“Outra, todos os meus irmãos agora estudam para concurso.  Minha irmã mais nova, que é dentista, passou em um na sexta colocação e está esperando o resultado final de outro.”

Seu exemplo de vitória, e de que o sistema funciona, continua trazendo resultados. Seus irmãos terão sucesso, assim como sua irmã já está tendo. Parabéns a todos, vocês são uma família de sucesso. Agora, o desafio é transformar tudo isso em sabedoria e felicidade.

É isso. Espero que essa conversa seja útil a quem tiver chegado até aqui.

A vitória está ao nosso alcance. Ao seu alcance.