Carta aberta à prof. Marilena Chauí

por Cardeal Dom Odilio Pedro Shcerer
[Leia na Íntegra]

São Paulo, 26.06.2015

À Prof.a Marilena Chauí

Departamento de Filosofia

da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP

 

Prezada Professora Marilena Chauí:

Com minha saudação, também lhe agradeço por ter dirigido a mim uma “carta aberta” sobre a questão da pretendida Cátedra dedicada ao filósofo Michel Foucault na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Tendo recebido uma “carta aberta”, permito-me responder da mesma forma.

Fico feliz em ver dirigidos tão largos elogios aos méritos da PUC-SP por uma ilustre docente de filosofia da prestigiosa Universidade  de São Paulo. A PUC-SP, de fato, foi abrigo para renomados pensadores e intelectuais em tempos de censura ao pensamento livre na história recente do Brasil. Não encontrando espaço para suas atividades acadêmicas e intelectuais em Universidades do Estado, eles tiveram guarida e liberdade para fazê-lo na PUC-SP, que será lembrada por ter promovido o pensamento sem censura e as liberdades democráticas em São Paulo e no Brasil. Felizmente, a Democracia foi restabelecida e as Universidades do Estado, bem como as demais, podem novamente desempenhar suas atividades de maneira desimpedida.

Mas desejo afirmar à ilustre Professora que a PUC-SP, também hoje, não deixou de ser espaço da liberdade intelectual. Não pode ser mostrado sequer um fato de censura ou intolerância contra atividades de pesquisa e ensino. Também no que se refere a Michel Foucault, professores e estudantes continuam lendo, estudando e ensinando Michel Foucault, quanto quiserem, sem que lhes seja tolhida a liberdade de fazê-lo.

Para desfazer qualquer equívoco, esclareço que a decisão – quase unânime – dos membros do Conselho Superior da Fundação São Paulo, Mantenedora da PUC-SP, não consistiu na “proibição” de uma Cátedra dedicada a Michel Foucault, mas no indeferimento de um pedido de criação de Cátedra, nos termos em que foi apresentado, “independentemente de se manterem os trabalhos do Grupo de Pesquisa deste, ou de qualquer filósofo na Universidade” (Ata da reunião do Conselho). A alguns pode parecer que indeferir e proibir sejam a mesma coisa, mas são duas ações diversas.

Além do mais, diversamente do que tem sido divulgado, antes daquela decisão ainda não havia uma Cátedra Foucault na PUC-SP. O que havia, e continua havendo, é um Grupo de Pesquisa dedicado ao filósofo francês. E esse Grupo pode continuar em plena atividade, sem nenhum impedimento. Digo mais: diversamente do que tem sido alegado, até em publicações na imprensa, não havia, e não há até agora, um compromisso institucional da PUC-SP com uma Instituição ou Entidade nacional ou estrangeira com o objetivo de criar uma Cátedra Michel Foucault na PUC-SP.

Portanto, Foucault continua sendo estudado na PUC-SP, da mesma forma como tem sido até o presente. Oxalá suas ideias também fossem avaliadas com discernimento crítico, como é próprio de toda boa prática filosófica, para verificar a consistência de seus argumentos.

[Clique aqui para conferir a Carta na Íntegra]